Equilíbrio Mental

Como é importante, meus queridos amigos leitores, o equilíbrio mental ao longo do dia. Não sei se com vocês é assim, mas comigo é tão difícil conseguir manter um equilíbrio de pensamentos, uma paz na casa mental, durante o dia todo! Teria de ser assim. Entretanto, sem motivo aparente, muitas vezes estou em clima de desânimo, de raiva com todos, de pressão psíquica para ofender, de sensibilidade boba para com qualquer frase menos feliz dos outros. Isso acontece comigo, várias vezes, sem que eu encontre alguma razão que justificaria esses estados mentais (alguma preocupação, alguma ofensa).  E isso me prejudica tanto nos relacionamentos humanos (porque não consigo ser quem eu sou verdadeiramente), e nos deveres que tenho de cumprir ao longo do dia.

Temos, por isso, de manter a vigilância nos pensamentos. Vigilância constante! Não basta orar. Temos de vigiar, para não nos pegarmos fazendo e agindo de modo totalmente contrário ao que acreditamos e pregamos. Para não ofendermos as pessoas. Para não nos culparmos depois.

Isso porque o Espiritismo nos revela um segredinho: muitas vezes somos induzidos a determinados comportamentos, por influenciação de espíritos menos felizes, que se ligam a nós por um motivo ou outro e esperam que sintonizemos com seu estado mental. Invariavelmente, sintonizamos! Não vigiamos direito, e por isso, à simples aproximação de um irmão desencarnado mais raivoso, tornamo-nos mais raivoso; a simples presença de um espírito mais apegado ao sexo faz que pensemos nisso constantemente…

Vigiar, gente! Mudar o rumo dos pensamentos. Sermos senhores de nós próprios. Vejam, que por mais que sejamos influenciados, o simples fato de o sermos já mostra a nossa culpa: estamos deixando. Porque toda influência pressupõe uma abertura por parte do influenciado. É, ou não é? A culpa não é dos espíritos. A culpa não é do “Diabo ou os demônios”. A culpa é nossa, por nossa invigilância. Eles escolheram agir assim. Nós podemos escolher agir de outra forma. Temos de lembrar, antes de qualquer pensamento menos feliz, se ele é ou não proveniente de nós próprios. Se sim, trabalhar para a reciclagem de pensamentos, melhorando também nossas ações. Se não, ficar atento e fortalecer nossas defesas mentais. Igualmente, também, trabalhar pela melhoria interna, porque se houve sugestão de pensamentos por parte de uma entidade desencarnada e ela ecoou na nossa acústica mental tal como se nós tivéssemos pensado, é porque estamos, de alguma forma, permitindo tal influenciação (e até aprovando-a, muitas vezes).

Vou abrir um parênteses e dizer: a verdade do mundo espiritual é inquestionável, para aquele que estude um pouquinho acerca da mediunidade. Digo isso para os leitores céticos que porventura achem que estou pirando. Estudem a mediunidade, procurem saber um pouco mais, leiam “O Livro dos Médiuns” de Allan Kardec. Há comunidades inteiras de espíritos, que nada mais são que pessoas desencarnadas. Elas vivem em lugares que satisfazem ao seu tipo e as suas necessidades. Os mais lúcidos já procuram trabalhar para a melhora íntima, e habitam colônias espirituais organizadas, acima da crosta terrestre. Ingressam em grupos de apoio, de estudo, já programam novas encarnações. Os mais apegados à matéria e as sensações permanecem perambulando pela Terra. E há submundos terríveis por debaixo da crosta, composto por legiões de espíritos perversos (profundamente ignorantes), com líderes inteligentes, dignos de pena para aqueles que o olham com sensibilidade.

É importante, leitores, que saibam disso, principalmente porque estamos adentrando o Carnaval, e este é um período de intensa movimentação do plano espiritual, pelo convite ao extravasamento das sensações, do sexo desegrado e das bebidas alcoólicas que os seres humanos encarnados tanto apreciam. Incontáveis entidades nesta faixa vibratória se deleitam nessa “orgia nacional”, incentivando-a. É uma loucura, parece que todos nós nos sentimos no direito de cairmos na mais pura animalidade, esquecendo todas as nossas conquistas nobres de muitos séculos, como a família, o trabalho digno, a sensibilidade que já adquirimos. Procuremos permear nossas festividades carnavalescas com atividades mais nobres. Leiam alguma coisa, participem do Congresso Espírita de Goiás, um dos maiores eventos espíritas do mundo; participem das festividades de sua Igreja; procurem algum trabalho voluntário; aproveitem para descansar, passear pelo bosque, estar junto aos familiares.

Sei lá. Temos de fazer de tudo para reformarmos o nosso interior. Para sermos pessoas melhores. E essa reforma não se dá apenas nas ações, mas também nos pensamentos. Na casa mental. Na psique. Cabeça faxinada, coração pronto para a ação dignificante! Façam esse exercício. Procurem avaliar o estado mental de vocês constantemente. Procurem analisar o teor dos seus pensamentos. Lembrem-se de perceber, com agilidade e sagacidade, qual a origem desses pensamentos. São seus, verdadeiramente? Você pensaria nisso? Ou melhor: você quer continuar pensando assim? Quer continuar levando-se por esses estados mentais de tédio, de desânimo, de sexo, de raiva?

Escolha seu caminho, meu chapa. 🙂

Graças a Deus, temos o livre-arbítrio.

Saibamos escolher bem, sempre.

Anúncios

Sobre João

Olá, amigo do outro lado da tela.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Equilíbrio Mental

  1. Anônimo disse:

    Olha Adorei o texto,pode ter certeza uma pessoa vc ajudou nessa mundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s