26º Congresso Espírita do Estado de Goiás

Estou participando pela segunda vez do Congresso Espírita do Estado de Goiás, e estou adorando. Acontece sempre durante o carnaval. Este ano, os palestrantes são de um nível excepcional, que dificilmente encontro em palestras e congressos no âmbito jurídico, por exemplo. Abaixo, algums trechos interessantes das palestras, que lembrei e anotei.

Folder do Congresso – XXVI Congresso Espírita do Estado de Goiás0001

Acompanhe as palestras ao vivo pelo site http://www.tvcei.com/portal/index.php/aovivo/canal14

Seminário “Minha paz vos deixo…”, de Simão Pedro

“Qual é a causa da violência? Os estudos apontam três grandes causas: miséria e pobreza; baixo índice educacional; carência de políticas públicas eficazes.

Entretanto, refletindo sobre estas três hipóteses, podemos questioná-las da seguinte forma: se a miséria e a pobreza fossem as causas da violência, necessariamente todo miserável e todo pobre deveria praticá-la. E não é isso que vemos. Há pessoas pobres de uma paz indefiníveis. Pessoas que, apesar das condições deploráveis de existência, são amáveis, equilibradas, confiantes em Deus. Podemos considerar que a miséria é um fator que predispõe à violência, pelas condições desumanas de vida que impõe às pessoas, mas não são verdadeiramente a causa da violência. Tampouco o baixo índice educacional seria uma causa, porque senão todo analfabeto teria de ser violento, e todo instruído não, e temos exemplos que contrariam ambas as afirmativas. O mesmo raciocínio se aplicam as políticas públicas, que apesar de reduzirem drasticamente o nível de violência dos países, não erradica a violência dos corações de muitas almas.

Qual é, portanto, a causa da violência?

A violência é uma decisão. É uma escolha íntima, individual. A causa está dentro das pessoas, e não fora delas. As pessoas decidem ser violentas, por este ou aquele motivo.”

“A paz não pode ser confundida com aquela preguiça rançosa, de quem não tem problemas. A paz é estado íntimo d’alma, fruto também de uma escolha pessoal, que não retira do mundo os problemas vários, mas dá ao indivíduo a tranquilidade necessária para a resolução de todos eles. Jesus disse “Deixo-vos a Minha Paz, a minha Paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá.” Quis ele explicar que sua paz não é a paz que o mundo dá. A paz do mundo é essa tranquilidade paradisíaca, daqueles que nada tem a fazer senão curtir seu ócio. Essa é paz estereotipada, uma falsa paz. A paz do Cristo é atitude interna de equilíbrio, diante das mais diversas problemáticas exteriores.”

“Há diferença entre ser pacífico e pacificador. O homem pacífico evita as reações violentas. Evita contrariar. Não é motivo de discórdia ou desarmonia.  Já conseguiu sublimar todas aquelas respostas instintivas, animalescas, de ódio, raiva, intolerância. É manso. O pacífico é o homem manso, que tem, de acordo com a bem-aventurança do Cristo, a herança da Terra. ‘Bem-aventurados os mansos, pois herdarão a Terra’. Poderá continuar aqui após a transformação do mundo (que sai da categoria provas e expiações e passa a categoria regeneração). Não serão expulsos do orbe terrestre, para outros mundos menos evoluídos. Não causam problemas para os outros e complicações cármicas para si. Começaram, já, a jornada do auto-descobrimento, mas ainda são muito tímidos.

Já o homem pacificador é aquele ativo, que atua para a promoção da paz. É mais que o pacífico. Já sublimou as reações instintivas, mas colabora para a mansuetude dos semelhantes, mediante ações incisivas em várias áreas da existência humana. Começaram a mais tempo a jornada da descoberta íntima, pois que estão mais alinhados ao clima de serviço a que a consciência lhes chama. São os vanguardistas de todos os tempos; são os trabalhadores incansáveis, estrelas e anônimos. Nem sempre agradam a todos – costumam, de fato, contrariar a muitos – mas não são violentos. Contrariam porque pregam valores morais, que chocam os interesses do ego dos homens ignorantes. Os pacificadores serão chamados filhos de Deus, conforme a enunciação de Jesus ‘Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus’. Pois que Deus é o Grande Pacificador, o inexorável trabalhador pela Paz dos mundos. Toda criatura que seja pacificadora está agindo como Ele e, deste modo, pode ser considerado verdadeiramente como seu filho.”

Seminário “Apocalipse: mitos e verdades”, de Haroldo Dias

“Toda profecia que prevê catástrofes e destruições são preditas para não serem cumpridas. Isto é importantíssimo para o estudo não só do Apocalipse, livro profético de João, como também qualquer outro que se queira estudar (Daniel, Nostradamus). As profecias são reveladas por espíritos muito evoluídos, com a intenção de que os homens alertem-se para as possíveis catástrofes futuras, e procurem agora melhorarem-se internamente, no sentido de progredirem moralmente para que Deus não precise recorrer do instrumento da dor para promover a evolução humana.

Isto porque Deus é amor, e sua Justiça compõe-se de muita Misericórdia. Deus não quer a dor, e busca fazer de tudo para que ela não seja necessária aos homens. Deus é tão amoroso que considera relevante todas as nossas míseras e pequenas ações de bem, para contrabalançar nossos erros. Como exemplo, podemos citar o caso de um homem que, por ter tratado mal seus escravos, em existência anterior, reencarnou com a sina de ter de perder seu braço, quando entrasse a maioridade. Então, voltou a vida, mas quando jovem ingressou num grupo religioso de ajuda ao próximo e descobriu o quão podia ser útil ao seu semelhante. Chegada a hora do resgate cármico, perdeu apenas um dedo. A Misericórdia e o Amor são componentes da Justiça divina. A Justiça divina não está preocupada em arrancar braços, mas em transformar espíritos.”

“De acordo com Emmanuel, para serem analisadas profecias, temos de primeiro meditar sobre a parábola de Jonas. Jonas recebeu de um anjo a profecia de que determinada cidade iria ser aniquilada por inúmeras catástrofes, caso a população dela não se arrependesse. Jonas, animado com o fato de ser emissário do céu, e mesquinhamente interessado em promover revelações bombásticas e cruéis, encarapitou-se como um poderoso profeta, subiu ao altar da cidade e anunciou as grandes catástrofes para aquele povo, intimamente feliz pelo poder que detinha. Quase esqueceu de mencionar que elas não ocorreriam caso as pessoas de lá se arrependessem.

Resultado: no dia esperado para as intempéries, Jonas procurou um bom lugar no alto de um morro, sob a sombra fresca de uma mamona, para assistir a destruição. Mas ela não veio, porque as pessoas de lá se arrependeram, procurando mudar os rumos de suas existências. Jonas estava desnorteado. Para piorar, Deus mandou muitas formigas comerem as folhas da mamona, que o deixaram ao sabor do sol quente daquelas paragens. Aquilo foi a gota d’água. Revoltado, bradou a Deus pelas injustiças que estava cometendo, dilapidando o caráter público do profeta e ainda por cima tirando dele o seu conforto sob a sombra da mamona. Deus respondeu: ‘Jonas, tu estás triste pela mamona comida pelas formigas, mas não se alegra por ter eu liberado teus irmãos de tanto sofrimento?’

A parábola termina aí, deixando-nos ensinamentos importantes, no que se refere a profecias. Primeiro: não há uma determinação inexorável de alguma profecia. Sempre haverá a possibilidade de os homens, através do livre-arbítrio, evitarem tragédias. Segundo, devemos parar de uma vez por todas com essa mística construída em cima de profecias, como se fossem figuras belas e encantadoras, por mais trágica que seja para as pessoas. Deus ama a todos, e faz de tudo por todos.”

“Judas não teria necessariamente de trair Jesus. A Espiritualidade Superior nunca programa nossas encarnações para que façamos o mal. Para que erremos. Nossos programas sempre esperam nossos acertos. Entretanto, como essa Espiritualidade nos conhece de cabo a rabo, sabe mais ou menos o que vamos fazer e deixar de fazer, como erraremos, quais são as probabilidades. E mesmo que sejam mínimas os cálculos probabilísticos para que acertemos, eles depositam em nós esperanças, até o último momento. Prova é que Judas, ao aproximar-se de Jesus para o beijo que selaria a traição, foi interpelado pelo Mestre, que tenta sensibilizá-lo, indagando “Judas, com um beijo trais o Filho do homem?”.”

Anúncios

Sobre João

Olá, amigo do outro lado da tela.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para 26º Congresso Espírita do Estado de Goiás

  1. edna disse:

    sou de Palmas.to Fazendo pesquisa sobre violencia apos grandes catastrofe,encontrei essa maravilha de mns. obrigado. tb participei desse congresso.Foi maravilhoso.

  2. Gutierres disse:

    Em 16/02/2010 encerrou-se o 26º Congresso Espírita do Estado de Goiás. Um participante e Internauta filmou as Palestras e compartilhou na Internet os links abaixo. Segundo o autor da gravação todos os vídeos serão dispostos na comunidade P2P.

    Palestra de Abertura
    Tema: Minha Paz vos deixo (Tema central do Congresso)
    Palestrante: Simão Pedro
    Arquivo: video (extensão avi)
    Tamanho: 350 MB (2 partes de 120MB cada e 1 parte de 110MB)
    Duração: 1h 18 min

    Links:
    1ª Parte – http://www.mediafire.com/?mzmomjwr0dd
    2ª Parte – http://www.mediafire.com/?r3yg3kdylt3
    3ª Parte – http://www.mediafire.com/?2meg5tmy1hz

    Obs: O video esta fragmentado em 3 partes, para junta-las é necessário o programa HJSPLIT .

    Para baixar o HJSPLIT (Gratuito):
    http://www.baixaki.com.br/download/hj-split.htm

    Tutorial de como dividir e juntar arquivos com o HJSPLIT:
    http://www.winajuda.com/2009/07/02/hjsp … s-grandes/

    PALESTRAS (mp3)

    Haroldo Dutra – Apocalipse Mitos e Verdades – parte 1 (72 MB) -http://www.mediafire.com/?qjzzomyjyyz
    Haroldo Dutra – Apocalipse Mitos e Verdades – parte 2 (71 MB) – http://www.mediafire.com/?yymrcnxj2ny
    Simão Pedro – Da Caverna ao Cosmos – parte 1 (104 MB) – http://www.mediafire.com/download.php?jmzmmnjwzzz
    Simão Pedro – Da Caverna ao Cosmos – parte 2 (67 MB) – http://www.mediafire.com/?z1nd2vlygcz
    Otaciro Rangel – O progresso científico e a descoberta do espírito (74 MB) – http://www.mediafire.com/?zi2unytzzij

  3. João disse:

    Ah, que ótimo, Gutierres! Assim podemos rever os lances interessantes!

    Abraço.

  4. Yolanda Garzon disse:

    Deus conosco

    Material excelente sobre a violência. Claro, objetivo com conteúdo direcionado para todos os públicos.
    Vou usar em minhas palestras.
    super obrigada

    yolanda

  5. diego disse:

    ja havia baixado antes esses videos mas emprestei para estudos porém meu dvd foi danificado, mas graças a vc amigo vou baixá-los novamente que Deus o abençoe…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s