A Escola

Estou explodindo em idéias, enquanto tomava banho. A água do chuveiro nos proporciona idéias maravilhosas (mas não vem ao caso agora).

Minhas idéias estão convergindo para este objetivo: construir uma escola cujo lema seja educar para a vida e para um mundo melhor.

Essa escola – maravilhosamente encantadora – vai possibilitar ao aluno seguir o rumo de sua vocação natural. Ou seja, os conhecimentos trabalhados nela vão se desdobrar em inúmeros, saindo das matérias tradicionais. Acho fundamental áreas como: Artes, Política, Direito, Administração, Educação… Assim, desde o início, o aluno já poderia pegar mais matérias daquelas que quer para a sua vida mesmo. O cara é vidrado em música, então vai estudar música. O cara gosta de política, então vai estudar política. Mas o mais importante: tudo, dentro dessa Escola, deve ser integrado. Por exemplo: o cara que estuda música vai tocar o seu instrumento nos recreios; o cara da política vai decidir os assuntos da Escola em assembléias. O aprendizado não se dará só nas salas de aula.

Cada canto nessa escola deve ser pedagógico. Os estudantes que prefiram administração, por exemplo, podem ficar encarregados de cuidar da cantina do colégio – e o lucro das vendas serem deles, por exemplo. Até mesmo os banheiros dessa Escola podem ensinar: os alunos é quem vão limpá-los, revezando em turnos semanais, aprendendo a dar valor a higiene e limpeza.

Não quero que seja uma escola que vire baderna, não… Todos os alunos devem apresentar tudo o que fizeram, “prestar contas”. A diferença é que eles estarão estudando aquilo que o coração deles pede, aquilo que sentem que estão no mundo para fazer.

Penso em hortas dentro da Escola; árvores, flores; tudo cuidado pelos próprios alunos. Cada um desses “ambientes de aprendizagem” pode ser coordenado por um professor titular da Escola: por exemplo, o de matemática ajuda os meninos da cantina; o de geografia, os que querem ser políticos; o de português, os que querem ser professores. Esses que querem ser professores podem ter a tarefa de auxiliar os meninos e meninas de séries inferiores, e até mesmo ajudar os professores a darem aulas ou elaborar provas.

Apesar de estar dividindo tudo em áreas (política, meio ambiente, administração, artes, direito…), elas não podem, DE MANEIRA ALGUMA, serem áreas estanques. Devem estar sempre interligadas. Por isso, o sanduíche natural da cantina pode ser preparado utilizando-se da cenoura e do alface da horta. A música pode ser tocada, suavemente, as tardes, para os alunos poderem estudar com mais afinco (já é comprovado cientificamente o poder da música nesse sentido). Grupos de várias áreas podem trabalhar conjuntamente para resolverem problemas do bairro, como falta de saneamento ou ausência de um ponto de ônibus no lugar.

E já vou chegando num ponto importantíssimo: a Escola não pode ser “acontecer” apenas entre quatro paredes. Ela deve ser uma mobilizadora do bairro em que está situada. Deve chamar pais para ajudar nas atividades (um pai que seja padeiro pode dar uma maozinha, ajudando gratuitamente a escola a fazer uma mini-panificadora; mães que saibam crochê podem ensinar essa atividade aos alunos interessados) e para decidir, conjuntamente aos filhos, o destino do colégio. Deve possuir ligações com os comerciantes do bairro, com as entidades não-governamentais do bairro; o próprio bairro, para essa Escola, é um ambiente pedagógico. O objetivo disso é fazer com que todos os estudantes tenham consciência de que podem ser vetores de transformação do mundo em que vivem (começando pelo bairro em que vivem).

O objetivo dessa Escola tem de ser a educação integral do ser humano. Por isso, tantas áreas. O estudante escolhe aquela que mais lhe toca o coração, mas ao mesmo tempo passará por todas, porque sendo ser-humano, tem todas essas necessidades, sejam elas físicas (prática de atividade esportiva), emocionais (atividades em grupo, construção de amizades), espirituais (busca de alguma espiritualidade ou ao menos de um sentido nobre para viver) e tantas outras.

Ou seja: a Escola que estou pensando não deve ser pensada apenas por um educador. Deve ser pensada por um psicólogo, um biólogo, um empresário. Deve ser plural. Deve trabalhar a pluralidade constantemente, porque ser plural nada mais é que ser ser humano.

Utopia? Impossível?

Acho que não. Nem vai ser uma escola tão cara. Não será exigido grandes tecnologias, computadores, laboratórios, salas estupendas, professores doutores. Será exigido, sim, colaboração ativa de todos os seus integrantes, desde o coordenador até o faxineiro, dos pais aos estudantes, e de todos do bairro. Acredito que deva ser uma escola modelo a ser implantada em todos os bairros de qualquer país subdesenvolvido. Ou seja: tem de ser um modelo estanque, com objetivos e idéias bem definidos, mas ao mesmo tempo tem de apresentar maleabilidade, para adatpar-se ao lugar onde será instalada: seja numa comunidade ribeirinha no interior da Amazônia, ou no sertão nordestino, ou no centro de São Paulo, e definir as suas áreas a partir da realidade do lugar. Obviamente, como disse antes, deve procurar parcerias e nunca atuar sozinha.

Puxa! Estou fervilhando em idéias. Nalgum outro post falamos mais sobre ela. Só percebam como é que essa escola consegue resolver um monte de problemas que hoje temos na educação: matérias estanques, poucos ambientes de aprendizado, escola apenas entre quatro paredes. Sempre pensei na escola como um lugar de transformação do bairro onde está inserida. Tem que ser assim!

Estou propondo um modelo de escola que revolucione o mundo! 🙂

Anúncios

Sobre João

Olá, amigo do outro lado da tela.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , . Guardar link permanente.

3 respostas para A Escola

  1. Chrystian disse:

    Obrigado pelo comentário, João. Eu adoro samba e João Gilberto.

    Você já leu ou já ouviu falar de Vygotsky?
    Se não, procure algo sobre ele.

    Gostei da sua explosão de ideias… as vezes me pego planejando uma escola também. Talvez pudéssemos discutir nossas ideias algum dia.

    E, depois que terminar o direito, você precisa fazer algo na área de educação (uma pós, uma graduação, uma especialização). Acho que você tem o dom para educar.

    Se precisar de alguém para apoiar essas ideias, conte comigo. De verdade.

    Um abraço

    • João disse:

      Eu vou fazer pedagogia depois que acabar direito. 🙂

      Ah, eu amo educação. É a minha paixão.

      Conte-me suas idéias! Essa Escola vai ser construída, na teoria e na prática, com a participação de todos! Principalmente naqueles que acreditam, sinceramente, na educação.

  2. Nina disse:

    Querido João, serei breve e prometo em outro momento falarmos mais sobre este doce assunto que é, sem dúvida, minha verdadeira paixão. Sua proposta certamente tem um ideal superior…enquanto lia me lembrei de um dos maiores pensadores da educação, senão o maior, que viveu no século XVII e se chamava Comenius. Este homem deixou um legado denominado Didática Magna – Tratado da Arte Universal de Ensinar Tudo a Todos. Achei que as lindas ideias que você escreveu coincide em muitos pontos com o pensamento de Comenius, eu diria até que é o ideal moderno de um pensamento antigo.
    Parece-me que o grande desafio da antiguidade e atualidade para a educação e todos os campos do saber, seja exatamente saber “Ser”( que é o Ser que chamamos humano?).
    Infelizmente o cansaço força-me a tomar um bom banho e dormir, depois de imprescindível dia de trabalho, visto que minha formação tem um pezinho no fordismo e outro no toyotismo(rsrs), o que não me impede, é claro, de sonhar e buscar, mesmo com pouco tempo.
    Meu caro, tudo que você escreveu é possível.
    Quero ser parceira deste ideal!!!

    Beijo, forte abraço.

    Inté!


    Nina Soares

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s