Vanguardistas na Terra: o lado misericordioso de Deus para a humanidade

Na verdade, todos ainda precisamos enfrentar muita coisa na vida, porque já erramos muito em outras vidas. Para aqueles não adeptos ao reencarnacionismo, o raciocínio pode ainda ser bem claro: olhe para você e diga, com sinceridade, se há ou não há muita coisa a ser melhorada.

Deste modo, os desafios terrenos, as dores e as lutas que dizem respeito a nós, tão-somente, elas de certa forma tem de ocorrer: precisamos crescer. Isso é o lado da justiça de Deus, ou, como diria Jesus, é “a colheita do que plantamos”. Não se espera laranjas daquele que plantou cenouras…

No entanto, Deus é misericordioso, também. Porque tudo é tão difícil e cruel se formos olhar apenas para o lado do que seja ou não justo. Em nossa condição de miseráveis, Deus se enche de compaixão e nos dá aquilo que, a bem da verdade, não mereceríamos, mas que por misericórdia, nos é dado como dádivas celestes para suavizar o caminho que ainda teremos de percorrer.

Especificamente, a misericórdia de Deus se mostra muito patente nas reencarnações dos vanguardistas, naqueles homens e mulheres espetaculares por natureza, em muitos aspectos, que vêm ter conosco para ajudar a celeridade do nosso progresso.

Daí, reencarnam Gandhi, Madre Teresa, Chixo Xavier, Francisco de Assis, só para citar os mais religiosos (poderíamos dizer Einstein ou Newton, porque o progresso científico também propicia felicidade, ou Martin Luter King e Harvey Milk, dilacerando os preconceitos humanos como o racismo e a homofobia), todos espíritos mais elevados no carreiro evolutivo, que vem do Alto para suavizar nossas vidas e lutar pelo que é certo.

O pior é que, em geral, eles são incompreendidos e fofocados pela sociedade, que nunca lhes dá a devida importância. As pessoas parecem achar que eles são como que um “corpo estranho” no meio social (de fato são mesmo, porque pertencem a esferas mais sublimes), muitos intentados, inclusive, a desacreditá-los de alguma forma.

Muito cuidado, queridos leitores, para não desperdiçar a misericórdia de Deus para a Terra. Os homens  que prejudicaram tais almas em geral elouquecem de culpa – porque a consciência dizia sereme pessoasde bem – muitos tendo inclusive suicidado, como Judas e Pilatos…

Façamos, pois, uma rede de oração, para sustentarmos tais almas (que existem, na Terra, não aos montes, mas aqui ou ali), e pedindo a Deus que nos dê a chance de ajudá-los de alguma forma, naquilo que conseguirmos, rogando, entretanto, que não os atrapalhemos, que nos tire do caminho antes que seja tarde demais, porque, o que menos desejamos, é fechar a fonte de misericórdia para os nossos irmãos em humanidade!