Família – ligeira reflexão

Interessante como muda nossa interpretação, quando vemos pessoas queridas – ou nem tanto – do nosso círculo de relacionamentos junto a família que lhes pertence. Já, várias vezes, ao ver uma foto no orkut de um amigo ou conhecido meu abraçado aos pais, ou então assim quando estou dentro da casa de um deles e percebo os pais ou irmãos, sua relação de amor e carinho (e mesmo brigas) com eles, eu penso “Nossa, eu nem me lembrava que eles tem assim, uma família, que nem eu!”.

Parece que a fortaleza aparente, aquela espécie de “independência natural” que enxergamos nas pessoas do nosso dia-a-dia no trabalho, na escola, essa ilusão do individualismo, em acharmos inconscientemente que “cada um vive somente para si” desaparece quase que por completo, fazendo-nos compreendê-las de outra forma. Quando ele ou ela está assim, abraçado à sua família, ou levando uma bronca da mãe, ou chamando o pai de “senhor”, ou pedindo carinho da irmã, a gente passa a enxergá-lo/la mais frágil do que parecia ser, mais emocional, partido, dependente. Parecido com qualquer um de nós…

Mais humano, enfim.